terça-feira, 8 de julho de 2014

"Brincadeira" de mau gosto - Livros que NÃO recomendo!

Procurei maiores informações sobre o livro em questão (A Máquina de Brincar) e seu autor. Numa entrevista sobre essa "polêmica", o autor diz: "E qual o problema de brincar com Deus e o diabo? Não faço apologia ao demônio, apenas brinco com o lado bom e o lado mau das coisa". Fonte: http://www.jornaldebrasilia.com.br/edicaodigital/pages/20140708-jornal/pdf/24.pdf

Tudo bem, Sr. Paulo, mas imagina uma criança nessa brincadeirinha "inocente". Ah, e a psicóloga que comenta o artigo, tenha santa paciência. Vale salientar que nem todos os pais ou a maioria deles (infelizmente) fazem esse acompanhamento.

E o pior: o dito livro foi adotado pelo Governo de São Paulo através do PNLD, conforme indica os sites abaixo.

http://sobrecapa.wordpress.com/autores-obras-entrev/autores/paulo-bentancur/
http://www.artistasgauchos.com.br/paulob/?pg=4202
http://sociedadedospoetasamigos.blogspot.com.br/2012/12/paulo-bentancur-escritor-poeta-e.html
http://feiradolivrocanoas.blogspot.com.br/2010/04/biografias_07.html
 
 
 
 
 
Por fim, penso que numa sociedade em que os pais amam assistir novelas juntos aos seus rebentos, o livro do Sr. Paulo é "um detalhe". Entretanto, um detalhe que pode afetar consideravelmente a personalidade de uma criança que não soube "brincar" assim como o autor do livro. Aliás, que "brincadeira de mau gosto".
________________

Aproveito o ensejo e trago rapidamente o trecho do Evangelho proclamado no último domingo (14º do Tempo Comum - Ano A):

Naquele tempo, Jesus exclamou: “Eu Te bendigo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas verdades aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Tudo me foi dado por meu Pai. Sim, Pai, Eu Te bendigo, porque assim foi do teu agrado. Ninguém conhece o Filho senão o Pai e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. Vinde a Mim, todos os que andais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de Mim,
que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e a minha carga é leve”. (Mt 11,25-30)

Confiante no amor de Deus e Sua infinita misericórdia, peçamos que os nossos pequeninos compreendam a presença de Deus em suas vidas, a começar por aqueles que lhe são mais próximos - suas famílias. Que nessa tempestade de descrença que assola a sociedade atual, o Coração Sagrado de Jesus seja o nosso conforto e porto seguro.

De um indigno escravo da Cruz e da Virgem Maria 

2 comentários:

Eloy Laurino, Meu Blog. disse...

É um absurdo esse livro e ainda a psicóloga q defende. Existem diversas outras maneiras de apresentar o lado mal e também de fazer as crianças entenderem o mundo e se abrirem ao pensamento. Este livro é evidentemente uma apologia ao satanismo, só estão tentando mascarar esta intenção contando histórias claramente sem nexo.

Pedro Piluca disse...

Sou poeta e escritor de blog, católico, e opino que minha religião não coíbe manifestações artísticas. Além disso, assumir um questionamento acerca de Deus (ateísmo ou agnosticismo) é bem válido em literatura infantil, se feito de forma leve e suave, como pede a faixa etária.

Mas assumir uma posição de desvalorização de Deus questionando por que Ele não desce (segundo nossa fé, Cristo, Deus-Filho, desceu e se encarnou no seio da Virgem Santíssima!), em favor da valorização da amizade do diabo, não é benéfico em nenhum sentido, seja religioso, literário ou de desenvolvimento de criticidade. Minha opinião.